Quem sou eu

Minha foto
São Carlos (cidade natal), SP, Brazil
Sou formada em Psicologia pela UFU em 1996, fiz Aprimoramento Profissional em Psicologia Hospitalar pela PUC/Camp em 1998, formação de Educadora Perinatal pelo Grupo de Apoio à Maternidade Ativa em 2004, e Curso de Extensão em Preparação Psicológica e Física para a Gestação, Parto, Puerpério e Aleitamento pela UNICAMP em 2006, onde,neste mesmo ano, participei da palestra "Dando à luz em liberdade - Parto e Nascimento como Evento Familiar" com a parteira mexicana Naolí Vinaver Lopez. O que é uma doula? Aquela que serve (ajuda)outra mulher durante o trabalho de parto. Gosto de pensar a doula como acompanhante facilitadora. E o que é educadora perinatal? Aquela que tem formação para dar cursos para gestantes, falando sobre as mudanças no corpo da gestante, desenvolvimento do feto, parto, amamentação, puerpério e primeiros cuidados com o recém-nascido. Atualmente morando em São Carlos/SP. Contato: vaniacrbezerra@yahoo.com.br (16) 99794-3566 (16)34137012

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Ana Paula e Adilson recebendo Rodrigo, o bebê sorriso!

Ana Paula chegava radiante nas reuniões do GAPN São Carlos. Começou quando estava com 5 semanas e esteve lá por 15 vezes. Até hoje, um ano depois, continua sendo a recordista em número de reuniões, e quem diria, ela bateria outros recordes também!

Eu adorava o sorriso dela e ficava imaginando que se ela contratasse alguém como doula, essa doula seria muito sortuda!

Um dia tivemos uma reunião cujo tema foi o pagamento de uma suíte de parto, se era necessário ou não, se faria diferença ou não... Ana Paula tirou muitas duvidas nesse dia.

Dai um tempo depois ela me ligou dizendo assim: "Então Vânia... uma amiga minha que é doula vai estar comigo, mas acontece que ela tem um filhinho pequeno e pode ser complicado se eu entrar em TP e precisar de doula de madrugada... e além disso agora ela também está grávida, com os desconfortos de início de gestação... por isso eu gostaria que vc também viesse no meu parto".

Opa, virei sortuda também! Adorei! E assim, Alice Ibelli e eu tivemos o enorme prazer e honra de trabalharmos juntas.

Começamos então a marcar as reuniões de preparação, eu ia à casa deles e assistimos alguns videos, conversamos bastante, rascunhamos o plano de parto. Ela continuava frequentando as reuniões e também participou da oficinas de preparação para o parto, onde o acompanhante também recebe uma atenção para saber o que fazer no dia P.

Ana Paula já tinha um filho de 5 anos, nascido de cesárea após apresentar uma queda de batimentos cardíacos durante um exame feito por rotina e fora de trabalho de parto. Um exame famoso por apresentar resultados falso positivos, ou seja, o exame diz que o bebê está em "sofrimento" mas ele não está. Enfim, depois de fazer o exame e ele não resultar em resultado tranquilizador, quem pagaria para ver? Ana Paula foi encaminhada pra cesárea, o bebê nasceu bem, e anos depois nasceria uma mãe ávida por informações que ajudassem a conseguir um parto tranquilo, e se possível sem cortes!

Pra ficar como lembrança fizemos uma pintura de barriga. Conversando e tirando duvidas, afinando o vínculo. Foi uma manhã de sábado muito gostosa!




Nesse ponto, preparação concluída,  tudo pronto para o dia em que o Rodrigo resolveria nascer.









Num fim de tarde, Ana Paula chegando na casa da mãe dela pra buscar o filho mais velho, acabando de fechar o portão, vem um cara completamente bêbado, bate no carro dela, por questão de segundos ela não foi atropelada. O carro dela ficou detonado, o portão da casa danificado, e ainda juntou um monte de gente em volta dela fazendo aquele tipo de discurso moralista que não resolve nada sabe? Ela começou a ter contrações, e ai calmamente pediu a alguém da família que assumisse a negociação com a família do bêbado e desse as informações que a polícia necessitasse, enquanto ela foi tomar um banho e ficou conversando com o bebê dizendo que estava tudo bem, que não precisava nascer ainda se não estivesse pronto, que tinha sido só um susto, essas coisas às vezes acontecem... as contrações pararam, e os dias continuaram transcorrendo calmamente. Ela com carro emprestado do pai enquanto o dela estava no conserto.




E ai um dia eu estava almoçando e o telefone tocou. Era o Adilson, marido dela, dizendo que tinham feito compras durante a manhã, ela estava tendo contrações e quando resolveram marcar já estava de 5 em 5 minutos ou menos. Uau! Catei minhas coisas o mais rápido possível, deixamos meu filho na escola um pouquinho mais cedo e corremos pra lá. Meu marido me deixou lá e voltou pra casa. Cheguei pouco antes da uma da tarde.

Quando entrei ela estava no chuveiro, de cócoras, me recebeu com o sorriso iluminado de sempre, dizendo que agora estava incomodando um pouquinho mais. Fiquei por ali, fiz massagem durante as contrações, ela quis sair, e a Alice chegou em seguida.

Ana Paula muito tranquila, sorridente, quando vinham as contrações ela se concentrava em relaxar, soltar os ombros, respirar fundo, e passava. Tomou suco, quis gelo para ficar mordendo, usou a bola... Alice tirando fotos e ajudando na descontração, colocou pra tocar a seleção de músicas para o dia P.

Hora de avisar o pediatra. E ele não poderia atender o parto porque estava de plantão. Então o Adilson ligou pra a pediatra back up. E a secretária não atendeu muito bem, achou que era alguém querendo marcar consulta pra ver se seria possível acompanhar o parto... mandei mensagem direto pra pediatra, expliquei a situação. Ficamos aguardando.

Ana Paula voltou para o chuveiro, mais massagens, relaxamento...

Voltou para a sala, e disse que estava um pouco cansada, ia tentar deitar um pouco. Quando vinham as contrações alguém estendia a mão e ela se levantava. Tirou um ou dois cochilos.

Recebi mensagem da pediatra dizendo que acompanharia sim o parto, sem problemas. ufa! respiramos aliviados!

Ai em uma das contrações Ana Paula fez força. Fiquei esperando mais um pouco. Se fosse segundo parto eu já teria falado alguma coisa, mas pra primeiro parto, com duas horas de trabalho de parto ativo e já está fazendo força?? Resolvi esperar mais um pouco. Na próxima ela fez mais uma forcinha. E na outra fez uma forçona! Foi a minha hora de abrir um sorriso!

- Vamos pra maternidade?

Pegamos as coisas, colocamos tudo no carro, fechamos a casa. Decidimos ir pela estrada pra chegar mais rápido. Ana Paula e eu no banco de trás, Alice dirigindo e o Adilson no banco da frente, apoiando Ana Paula e ajudando Alice a encontrar o melhor caminho. Trabalho em equipe!

Na estrada tinha um bloqueio desses em que fecham uma faixa porque estão recapeando a outra. O transito estava bem devagarinho. e Ana Paula sorriu e disse: - "Tinha que ser comigo"!

Todos demos risada nessa hora.

Faltando um quarteirão pra chegar na maternidade ela vocalizou um pouquinho mais forte e os 3 dentro do carro falamos quase juntos: - "vai ser a última contração dentro do carro". E sorrimos novamente. Chegamos.

Na recepção ela já teve mais uma contração, e eu a encaminhei pra salinha de exames que fica ali ao lado. A recepcionista me chamou dizendo que a enfermeira queria falar comigo no telefone.



- "Vânia, já tá nascendo? Pq estamos acabando de limpar o quarto, ela pode esperar um pouquinho"?

Respondi que sim, que podia, o bebê não estava nascendo. Pelo menos até aquele ponto não estava. :)

Voltei pra salinha de exame pra ficar junto com ela, veio mais uma contração e ela se abaixou. Na próxima pediu pra ir ao banheiro. Eu e Alice acompanhamos.

Adilson estava ali ao lado preenchendo os papéis da internação.

Mais uma contração e Ana Paula vocalizou forte. Muito tranquila mas muito forte. Olhei e vi o topinho da cabeça do bebê começando a aparecer.

Quando passou a contração ela disse:

- "Vânia, eu quero ir pra água"!

E respondi com a maior tranquilidade:

- "Não vai dar tempo de encher banheira"!    :)

Sai pra pedir pra chamar e enfermeira e ela estava falando alguma coisa com a recepcionista.

- "Shirley, tá nascendo".

Entramos, já estava vindo mais uma contração, a Shirley olhou, em seguida olhou pra mim e pediu pra eu chamar a equipe enquanto ela estava procurando as luvas.

Sai na recepção e pedi pra recepcionista chamar o Dr. Rogério enquanto eu liguei direto no celular da pediatra e expliquei que já estava nascendo, pra ela vir. Adilson entrou junto comigo.

Ficamos todos dentro do banheiro, esperando a próxima contração, eu apoiando Ana Paula de um lado, Adilson apoiando do outro, Shirley na frente, Alice filmando e  Dr Rogério entrou a tempo de ajudar a pegar o bebê.


O brilho nos olhos da Ana Paula ao olhar para o bebê em seus braços é inesquecível! Eu moveria céus e terras pra poder ver aquele brilho nos olhos de todas as mulheres! Muito amor!

E muita emoção! Dr. Rogério sintetizou o sentimento de todos: - "Ana Paula vc gosta mesmo de emoção!"



Ajudamos ela se sentar em uma cadeira de rodas com o bebe no colo e fomos em comboio pra o andar de cima, o da maternidade. Lembro bem das pessoas que estavam na recepção e acompanharam a correria, ao verem ela saindo da sala de exames com o bebê nos braços e um sorriso radiante que chegava até os olhos... todos que estavam ali ficaram felizes!



Quando chegamos no setor da maternidade a auxiliar de enfermagem estava vindo, esperando encontrar uma mulher em trabalho de parto e deparou-se com uma mulher sorridente com o bebê nos braços!

- "Que aconteceu"??!!

R) " Já nasceu"!

Chegamos ao quarto, a pediatra chegou em seguida, super tranquila e super feliz. Nada como poder contar com gente que ama o que faz!

Só faltava a placenta, e ela veio rápido também. Foi só ir até o chuveiro, sentar-se um pouco na banqueta de parto, e ela veio. Linda, inteira, cumpriu bem seu papel.

E assim eu e Alice deixamos o casal com seu mais novo filho. Foi um parto todo tranquilo e feliz, e poucas semanas depois pudemos ver através das fotos compartilhadas por Ana Paula que esse é o bebê sorriso!









Ana Paula, gratidão imensa por ter me chamado para fazer parte deste momento tão lindo! Você é uma guerreira da luz! E seja bem vinda ao clube das militantes!

Por que seja no segundo andar, na suite master ou no banheirinho da sala de exame, os bebês nascem! E você provou que não precisa de nada além de você mesma! :)

Adilson, obrigada pela confiança.




Rodrigo, seja muito bem vindo sempre! Que sua vida seja iluminada e radiante como foi o dia do seu nascimento!





Ana Paula mãe de dois!
Um grande beijo a todos!














                                                                                         

Vânia. Bezerra.




Aqui o link para o video do parto:
https://www.youtube.com/watch?v=ua4vR4Rc_d4

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Oficinas de Preparação para o Parto, Amamentação e Primeiros Cuidados com o recém-nascido


Em São Carlos, dia 26/04/2014, sábado, das 14h00 às 18h30.

Facilitadoras: Vânia Bezerra e Tatiana Nagliati. (Psicólogas e Doulas).

OFICINA DE PREPARAÇÃO PARA O PARTO NATURAL- das 14h00 às 16h00

Conteúdo: fases do trabalho de parto, posições que ajudam no relaxamento e descida do bebê, técnicas que podem ser utilizadas pelo acompanhante para auxiliar a parturiente, o que não fazer poque poderia atrapalhar, como doula e acompanhante podem trabalhar juntos, técnicas não invasivas de controle da dor.


OFICINA DE PREPARAÇÃO PARA AMAMENTAÇÃO E PRIMEIROS CUIDADOS - 16h30

Conteúdo: como prevenir os problemas mais comuns e como resolvê-los caso apareçam, pega correta, posições, como o acompanhante pode ajudar. Cura do umbigo, trocas, banho, cólicas, cuidados necessários.

Investimento: 80,00 cada oficina ou 150,00 as duas, com direito a um acompanhante.

Necessário: comparecer com roupas leves e confortáveis. Vamos nos sentar no tatame e vamos nos movimentar, ficar de cócoras, etc.

Inscrições com Vânia Bezerra - vaniacrbezerra@yahoo.com.br (16) 3413-7012 / 997-943-566

ou com Tatiana Nagliati - tatiananagliati@gmail.com (16) 3372-7489 / 991-721-839

Local: CLINFISIO Fisioterapia e Estética
Rua Luiz Barbosa de Campos, 410 Jardim Alvorada São Carlos - SP
(próximo ao Restaurante Casa Branca)

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Patricia e Luis Augusto recebendo Luís Felipe.

Patricia me foi apresentada pela querida Livia, já com mais de 30 semanas de gestação e buscando informações sobre doulagem. Livia é doula mas poderia ter dificuldades em atendê-la caso o TP fosse de madrugada. Assim, conversamos e Patricia me contratou para estar com ela durante seu trabalho de parto e parto. Livia também iria se o parto ocorresse durante o dia.

Começamos a preparação para o parto, com reuniões semanais na casa da sogra da Patricia, onde ela estava passando esse final da gestação. O Luis Gustavo havia sido transferido de cidade e Patricia tinha vindo para São Carlos para não ficar sozinha em casa. A proximidade da família era ótima, mas esse distanciamento físico do casal bem no final da gestação foi um pouco sofrido para ela.

Nas últimas semanas a Livia deixou a bola de fisioterapia com a Patricia, que relatou alivio nas dores lombares após o início do uso da bola.

Preparação concluída, ficamos eu e Livia a postos, esperando o dia em que Luís Felipe decidiria que era hora de nascer, o que aconteceu no dia 17/04 - quarta-feira. Patricia me ligou nas primeiras horas do dia dizendo que o TP estava começando. Foi até a maternidade para uma ausculta, viram que estava tudo bem, voltaram para casa: ela acompanhada da sogra. O marido já avisado que o bebê tinha avisado que chegaria logo, se colocou na estrada. Todos na torcida que desse tempo dele chegar.


Bem próximo das 11 da manhã Patricia me ligou novamente, pedindo que eu fosse para lá. Moramos relativamente perto, cheguei rápido. Encontrei-a no quarto, sentada na bola e balançando, calma, precisando de uma presença calma. E isso ela teve.

Liguei para a Livia, avisei que já estava com a Patricia. Pedi que a sogra dela colocasse água para esquentar para usarmos a bolsa de água quente, e voltei para o quarto.

Musica, massagem, apoio, calma, segurança. Bolsa de água quente nas costas. Balanço na bola. Descanso entre as contrações.

Livia ligou dizendo que estava vindo, perguntando se estávamos precisando de algo. Tudo estava indo muito bem, só precisávamos de mais uma presença calma. E isso ela teve.

A sogra sempre muito solícita, apesar de um pouco nervosa, ficava por ali e providenciava tudo que precisávamos. Mais água quente... um suco gostoso...

Marido chegou. Entrou no quarto enquanto ela estava tendo uma contração, ficou calmamente parado esperando passar. Quando passou, ela abriu os olhos e o viu, abriu um enorme sorriso e disse: "marido! quanto tempo que não te vejo"!

Ficaram rindo, trocando beijinhos e vendo os presentinhos que ele trouxe para o bebê. E as contrações continuaram vindo, vindo...


Então chegou a hora de irmos pra maternidade. Fui junto com ela, no banco de trás do carro, fazendo massagens durante as contrações e ajudando a relaxar nos intervalos.

Chegamos.

Chuveiro, bola, banheira, mudanças de posição, massagens, mais bolsa de água quente. e vontade de empurrar.

Ela tinha voltado para o chuveiro, estávamos ali aguardando Luís Felipe, veio uma contração, Patricia ficou de cócoras e já foi possível ver o topinho da cabeça do bebê aparecendo.

Pedi à Livia que chamasse a enfermagem, elas vieram, ligaram o berço, chamaram a equipe... ajudei Patricia sair do chuveiro e ir para a banqueta. Luis Gustavo atrás dela, apoiando e incentivando.

O médico chegou e sentou-se à frente dela. Ficamos todos apoiando e esperando. Pediatra tb chegou.

Patricia empurrando seu bebê pra fora, bebê vindo, cabecinha saindo... e o médico fala: - "tá chorando! só com a cabeça pra fora, tá chorando! calma rapaz, nem nasceu ainda"!!!!

Que cena surreal! Ficamos assim meio embasbacados!


Mais alguns segundos e ai sim. Luis Felipe veio inteiro pra esse lindo louco mundo!

Pai super emocionado. Prestei mais atenção nele enquanto Livia estava mais próxima à Patricia. Mas ele estava bem, logo voltei minha atenção pra ela novamente. Placenta veio logo. Parto terminado!

Atendimento sendo feito no bebê. Não gostei dessa parte, achei que demoraram demais para dar o bebê a ela. Bom, finalmente pararam de cutucá-lo e colocar coisas nele... e ele foi pra onde não deveria ter saído. O colo da mãe. :)

Mais familiares chegaram para conhecer o novo membro, e todos estavam bem.

Assim, eu e Livia os deixamos: felizes e juntos, agora do lado de cá da barriga.

Patricia, parabéns por ter confiado nas suas escolhas e assim ter feito a diferença no nascimento do seu filho lindo! Não posso repetir aqui as palavras de admiração proferidas pelo seu marido quando ele expressou toda sua admiração pela sua força logo após o parto. Mas posso substituir pelo seguinte: VOCÊ É NOTA 10!


Um grande abraço dessa doula que te admira muito!

Luis Augusto, não tive oportunidade de lhe conhecer, mas posso dizer o seguinte: pra quem teve pouco ou nenhum preparo para acompanhar o trabalho de parto, você se saiu muitíssimo bem. Parabéns!

Luís Felipe, seja sempre muito bem vindo! Que sua vida seja iluminada como foi o dia do seu nascimento!

Abraços!

Vânia.



Ps: Livia, muito obrigada por ter me levado a essa doulagem. Eu AMEI!

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Eloize e Wesley recebendo Teo Luca - fevereiro de 2013

Esse parto foi um dos muito especiais pois veio dar praticamente um testemunho do poder da mulher sobre seu corpo: o parto acontece na cabeça.

Eloize me contratou e começamos com as reuniões de preparação. A casa recém-adquirida, com muitos espaços vazios e eu a imaginava andando por ali em trabalho de parto. Era muito gostoso! A preparação terminou, nos despedimos com as frases de "nos veremos na hora em que o Teo quiser vir, estaremos todos prontos".

Daí que essa doula que vos fala é a tranquilidade em pessoa, não fico vigiando datas, eu confio e pronto. Ai um dia atendo o telefone e é a Eloize dizendo que completaria 42 semanas no dia seguinte e o médico pediu que ela conversasse comigo sobre indução. Aff, me senti muito relapsa nessa hora... como assim, 42 semanas, já?!

Conversamos então sobre a indução, eu mesma tive parto induzido e como doula já acompanhei algumas induções, uma das quais terminou com o primeiro parto na água dentro de um hospital em São Carlos. :)

Então tenho prática, e tenho confiança de que esse médico sabe induzir, afinal a maioria dá certo.

Conversamos, conversamos, e no final ela me disse: "ainda tenho confiança de que nada disso será necessário e eu vou entrar em trabalho de parto".

Dia seguinte, 42 semanas, me ligou no meio da tarde, tinha conversado com o médico. O marido dela precisou viajar, e chegaria de madrugada. Faria muita diferença esperar mais um dia? A resposta foi que não, poderiam sim esperar até a manhã do dia seguinte, afinal até agora tinha sido uma gestação absolutamente tranquila, por que haveriam de estressar por meras 12 horas? Então assim ficou combinado: caso não entrasse em TP internaria para a indução com 42s1d.

Acordei de madrugada, perdi o sono, peguei um livro, fiz um chá e me ajeitei para começar a ler. O telefone tocou. Eloize estava em TP já com as contrações a intervalos menores que 5 minutos.

Fui pra casa dela e quando cheguei ela estava andando pela sala, muito tranquila, me recebeu com sorriso confiante e logo veio mais uma contração. Ela segurou na grade da escada e ficou de cócoras, dona do seu corpo, segura do que estava fazendo.

Quando passou a contração ela me olhou e disse: - "não falei que eu ia entrar em trabalho de parto?!"

Todos nós sorrimos nessa hora!

Então ficamos por ali, estava uma noite linda. Fui até o quintal e liguei para a hospital para deixar avisado que estava acompanhando uma gestante em TP e que dali a algum tempo já iriamos para lá.

Contrações, massagens, comidinhas, suquinhos, tudo muito muito tranquilo. E não demorou muito para as contrações estarem já bem próximas, e ela em duvida se estava fazendo força ou não. Observei mais um pouco e achei melhor irmos para a maternidade para já termos as auscultas dos batimentos cardíacos do bebê a intervalos regulares. Sendo assim fomos colocando as malas no carro e logo seguimos caminho.

Chegando no hospital ela foi encaminhada para a suite PPP e assim ficamos: Eloize e Wesley, Amanda (irmã da Eloize) e eu. Um clima gostoso de espera respeitosa.

As contrações deram uma espaçada, e o melhor jeito de estimular é andar. Eloize praticamente corria pelo quarto e de vez em quando subia na escada de lynnings (essas escadas que tem em academia pra gente se alongar) e ficava olhando o quarto lá de cima, provocando risos em todos aqui em baixo. Quando as contrações vinham ela ficava de cócoras e se concentrava. A cada ausculta era possível perceber que o bebê estava baixando, e logo os puxos chegaram.

A equipe foi chamada, o médico chegou e ela já tinha se ajeitado na banqueta de parto.

E assim nasceu Teo Luca, com o quarto a meia luz e sob a mira da lente da tia Amanda. Com amor, com respeito, a seu tempo, e direto para os braços da mãe confiante em sua natureza!

E assim o mundo recebeu mais um bebê, cercado de amor e proteção. Seja sempre bem vindo Teo!

A Eloize e Wesley deixo meu muito obrigada pela honra de ter feito parte da equipe sobre a qual vocês depositaram a confiança e dividiram esse momento divino!

Um grande abraço!

Vânia.