Quem sou eu

Minha foto
São Carlos (cidade natal), SP, Brazil
Sou formada em Psicologia pela UFU em 1996, fiz Aprimoramento Profissional em Psicologia Hospitalar pela PUC/Camp em 1998, formação de Educadora Perinatal pelo Grupo de Apoio à Maternidade Ativa em 2004, e Curso de Extensão em Preparação Psicológica e Física para a Gestação, Parto, Puerpério e Aleitamento pela UNICAMP em 2006, onde,neste mesmo ano, participei da palestra "Dando à luz em liberdade - Parto e Nascimento como Evento Familiar" com a parteira mexicana Naolí Vinaver Lopez. O que é uma doula? Aquela que serve (ajuda)outra mulher durante o trabalho de parto. Gosto de pensar a doula como acompanhante facilitadora. E o que é educadora perinatal? Aquela que tem formação para dar cursos para gestantes, falando sobre as mudanças no corpo da gestante, desenvolvimento do feto, parto, amamentação, puerpério e primeiros cuidados com o recém-nascido. Atualmente morando em São Carlos/SP. Contato: vaniacrbezerra@yahoo.com.br (16) 99794-3566 (16)34137012

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Carolina e Ana Paula – Nina


Essa doulagem foi tão linda, tão perfeita, tão amorosa, tão tudo... que fico emocionada começando a escrever. Sinto um quentinho no coração, meus olhos estão brilhando, tenho certeza! Sabem aquela pergunta: “você quer com emoção ou sem emoção”? Essa foi com muita emoção!



Então lá vai:


Carolina me escreveu fazendo perguntas sobre doulagem, preparação, grupo de apoio... um dia Ana Paula foi à reunião do grupo e falou comigo no final. Disse que a Carol tinha ido numa reunião anterior mas não tinha conseguido falar comigo, e neste dia acho que ela estava gripada... então a Ana foi sozinha. 

Conversamos, falamos sobre a oficina de parto, elas se inscreveram e compareceram pontualmente... bem no dia em que atrasamos pra caramba o começo da oficina porque não achávamos as caixinhas de som... enfim, o oficina foi super legal e no final combinamos um dia para eu ir à casa delas. Em todas as conversas e trocas de e-mails eu tinha deixado claro que doular paciente do SUS para mim era um problemão... mas conversa vai, conversa vem, falei que doularia até a porta da maternidade... ou melhor, um quarteirão antes. Na esquina eu desceria do carro e elas seguiriam caminho sem mim. Elas toparam esse esquema, então começamos a preparação.

Assistimos os filmes, conversamos bastante, eu adorava ir à casa delas... ah, tenho que contar isso: no primeiro dia em que eu fui até lá o Raul foi me levar... (aliás, ele foi me levar todas as vezes), e ficamos completamente perdidos porque ele quis pegar um atalho por trás da rodoviária... e chegou uma hora que eu não fazia a menor idéia de onde estávamos... então ele fez uma curva, freou bruscamente e disse: “é aqui”! Eu comecei a rir e não parava mais, assim, de pura bobeira... de completamente perdidos a completamente localizados, a diferença foi só uma esquina. Pois é!

Entrei na casa delas rindo muito, e felizes foram todas as nossas reuniões. Quando já estava perto do final da gestação, Carolina e Ana Paula foram conhecer a maternidade, em uma tarde que a enfermagem dedica à recepção das futuras mamães que estão fazendo o pré-natal pelo SUS, para que conheçam as instalações, etc. Sabem quantas pessoas compareceram? Duas: Carolina e Ana Paula. Mas mesmo assim a enfermeira chefe as recebeu, falou sobre parto, elas perguntaram sobre o uso da banqueta de parto e da bola de fisioterapia que a maternidade possui e que elas haviam visto no site...

A enfermeira ficou feliz delas estarem bem preparadas e disse que não haveria problemas em utilizar esses recursos.

Quando elas me contaram, super elogiaram o atendimento que receberam, e estavam muito confiantes. Eu permanecia reticente. Já tinha sido confiante antes, e minha confiança foi arrasada pelo médico plantonista que fez questão de marcar território... De qualquer forma eu queria muito que essa história fosse diferente. Trabalhei muito para isso. E no fim fiquei com tanto medo de errar e fazê-las ir muito cedo para a maternidade (já aconteceu duas vezes comigo de achar que a dilatação estava avançada e estava com um ou dois dedos só!), que acabei contratando a Jamile por minha conta, para ir verificar a dilatação antes da transferência para a maternidade. Só que... Jamile avisou que iria a um congresso durante o período em que Nina poderia nascer.

Na ultima reunião de preparação para o parto eu conheci o pai da Nina. Ele tinha ido levar alguma coisa, não me lembro se era o berço ou o carrinho... Cumprimentamo-nos e ele logo foi embora.

Carolina passou muitas noites com contrações irregulares, mas suficientemente fortes para não deixá-la dormir. Independentemente das contrações, ela também sentia muito desconforto na lombar. Chegou a um ponto de exaustão em que ela até chorou porque precisava tanto dormir... mas as contrações só davam trégua durante o dia. Até que chegou a noite em que elas ficaram mais fortes e foram ficando mais próximas. Nina tinha resolvido nascer!

Ana Paula me ligou às seis e vinte da manhã. E disse assim:

-“Oi! Eu estava com dó de te acordar... Nós ficamos esperando o dia amanhecer pra te ligar”...
Cheguei lá às 7h30. Raul desejou boa sorte e foi embora. Entramos.
Encontrei Carolina andando, com expressão cansada, contando como tinha sido a noite. Tinha sido Agitada!

Naquele dia a Carolina tinha marcado um café da manhã com a mãe dela. Ficamos durante algum tempo conversando e pensando no que dizer... ela não queria que a mãe viesse ficar junto, nem que avisasse mais ninguém. Queria privacidade. (Certíssima!)

Daí a pouco ela pegou o celular, ligou para a mãe, avisou que não iria porque já estava com contrações... e falou bem firme: “não avise mais ninguém, eu não quero que ninguém venha aqui, a casa é pequena e eu quero ter liberdade... eu vou desligar os telefones, e depois que nascer eu aviso. Beijo mãe! Não se preocupe, vai dar tudo certo”.

Ah, se todas as grávidas fossem capazes de romper o cordão umbilical com suas mães... se tivessem a coragem de fazer o que a Carol fez... boa parte dos problemas durante o parto seriam sanados! E por mais que a gente avise durante as reuniões do GAPN que são raríssimas as mães que não atrapalham, vira e mexe acontece de novo e temos que lidar com a mãe da parturiente com cara de “você está fazendo minha filhinha sofrer”! rsrsrsrsr

Não foi o caso da mãe da Carol. E o que a Carol disse ela fez mesmo: todos os telefones foram desligados, e ninguém apareceu. Sua mãe a respeitou. Ah, se todas as mães fossem assim...

Ana Paula saiu para ir avisar que faltaria ao dia de trabalho, tinha que assinar alguma coisa... (o local de trabalho era bem perto de casa). E na volta trouxe pão e fizemos um café.

Então, as contrações foram ficando mais fortes, mais próximas e mais duradouras... lançamos mão da bola de fisioterapia sobre a cama, para que ela pudesse debruçar-se e descansar um pouco... bolsa de água quente nas costas, massagem com gel de arnica... e banheira enchendo dentro do box. Água esquentando no fogão... e eu pendurada no telefone tentando saber quem era o/a plantonista no SUS. E mais uma vez não demos sorte...

Às 11 da manhã Carolina entrou na banheira. Relaxou, tirou alguns cochilos nos intervalos... de vez em quando eu jogava água quente no canto da banheira. Mesmo com o chuveiro ligado estava um dia um tanto frio e a água precisa ficar quentinha.

Elas tinham feito um plano de parto, que levariam para a maternidade e entregariam para quem fosse atendê-las. Neste plano de parto estava escrito várias vezes: "avisar a doula quando... contar com a doula para... ficar com a doula até que"... Passei tudo a limpo e tirei a doula do plano. Risos... se eu não iria para a maternidade por suspeita de que a minha presença não só não seria bem vinda como poderia fazer com que o médico resolvesse marcar território (tipo: “aqui quem manda sou eu” ou “doulas deveriam trabalhar no circo”...), mesmo não tendo meu nome no plano, a simples palavra “doula” poderia fazer diferença no atendimento. Então, a toque de caixa, passei tudo a limpo. O plano de parto que elas levaram estavam inteirinho com a minha letra, mas não mencionava as temidas doulas... rsrsrsr

Carolina começou a sentir os puxos (vontade de fazer força) perto de meio-dia e meia. O plantonista mudaria às 13h00... Jamile estava mesmo viajando, então não tínhamos como verificar a dilatação em casa. Era preciso esperar mais um pouco.

Neste ponto o plano era chamar um táxi ou o resgate se sentíssemos que não daria tempo do táxi chegar...  E nessa hora minha confiança no plano começou a falhar. Fiquei pensando num motorista de táxi desesperado pela possibilidade do bebê nascer antes de chegarmos à maternidade... ou ficando bravo porque o banco ficou sujo de sangue... ele teria calma suficiente para parar durante uma contração mais forte e esperar passar? Eu duvidava... pararia para eu descer uma esquina antes? Eu duvidava... então o jeito era chamar o resgate... fariam ela se deitar com a barriga pra cima e passariam aquelas correias que prendem o paciente à maca para poderem acelerar sem risco dela cair? Talvez... eu nunca vi parturiente sendo atendida pelo resgate, não faço idéia se a prendem na maca ou deixam ela ir sentada... e a sirene ligada? Péssima idéia para quem precisa se manter relaxada... chegar na maternidade de resgate já atrai a atenção do quarteirão inteiro, e seria em um horário de visita... putz!


O QUE EU FAÇO AGORAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA??????


Não tem jeito... alguém vai ter que ajudar! Liguei para a minha super irmã ativista, Andréia.
- Déia, não vai dar certo ir de táxi ou de resgate... vc pode vir para levá-las até a maternidade?
- “Claro! Só que... o pneu da moto furou, então o Raul foi levar o Felipe na escola com o carro... quando ele chegar eu levo a Laura e depois vou até aí... dá pra esperar”?

Vai ter que dar!

Meia hora depois liguei pra Andréia... ela atendeu e disse:
- “Já estou aqui na rua, pode sair que só falta achar o número”.

Ana Paula e eu ajudamos a Carolina sair da banheira, secar-se, vestir-se, pegamos as malas e bolsas... e fomos para a frente do prédio. Entre a porta do apartamento e a porta do prédio tinha uns dez/doze metros, e Carol parou duas vezes para esperar a contração passar. Mais uma vez antes de entrar no carro. Elas foram no banco de trás e eu no banco da frente, Andréia dirigindo com toda a calma, sempre atenta aos lugares onde poderia estacionar se a próxima contração começasse. Acho que paramos umas cinco vezes no trajeto até a maternidade, e quando faltava só dar a volta no quarteirão Andréia parou para eu descer, Carol olhou pra mim e disse: “Vânia eu não vou aguentar”... Olhei bem nos olhos dela e respondi: “vai sim linda, você está muito bem e assim que você puder descer do carro vai ficar mais fácil, vai melhorar já já... boa sorte queridas, me liguem quando nascer”...

Desci e Andréia acelerou para aproveitar o intervalo entre as contrações... fui andando bem devagarinho, fazendo minhas orações e fiquei na outra esquina esperando a carona de volta! Rsrsr

Andréia contou que na recepção tinha que fazer a ficha e a recepcionista ficou fazendo mil perguntas... então Andréia perguntou: “ela não pode ser atendida primeiro e fazemos a ficha depois”? A recepcionista então perguntou para a Carolina: “tá doendo muito”? Carolina estava debruçada sobre o balcão, só levantou a mão e fez sinal de positivo. Então elas foram encaminhadas para dentro, mas não antes de esperar a contração passar.

Andréia me pegou na esquina de baixo, eu a levei para trabalhar (na época ela trabalhava em uma empresa na cidade jardim, não muito longe do ap. da Carolina), e eu tinha ficado com a chave delas para poder voltar lá, pegar a banheira e dar uma arrumada em tudo.

Aí... o resto da história eu não sei...
.
.
.
.
.
.
.
.
Brincadeirinha! Depois d’eu voltar pra casa, almoçar, descansar... liguei na maternidade e pedi informações sobre a paciente Carolina...
- “Está aqui sim, já nasceu, está tudo bem”.
- Foi cesárea ou parto normal?
- “Parto normal”.
- Que legaaaaaaaaaaaaaaaaal... Ok, obrigada.

Bom, mas até aí eu já tinha visto antes. Chegar quase nascendo e virar parto frank ainda era uma preocupação. Então, depois que tiveram alta e eu fui visitá-las (inclusive para devolver a chave, que eu esqueci em casa e tive que voltar outro dia... rsrsrsr), e elas contaram os detalhes. Foram atendidas pela enfermeira, o médico não foi chamado embora provelmente tenha sido avisado, a enfermeira (minha chará) adorou elas terem levado plano de parto e pediu permissão para colocá-lo no mural (!!! Quanta diferença de outra, cerca de dois anos antes, que ficou espantada e disse: “ué! Paciente agora tem vontade?!!!).

O parto foi sem transferência para o centro cirúrgico, na banqueta de parto e sem episiotomia. Carolina deu uns bons gritos e ninguém a censurou em nenhum momento, e Nina foi colocada em seu colo assim que nasceu. O cordão não foi cortado imediatamente, foi cortado pela Ana Paula, e a amamentação foi estimulada imediatamente... enfim, um parto com o atendimento perfeito. Nina nasceu uma hora depois que elas deram entrada na maternidade.


Depois que estavam no quarto o médico plantonista passou e disse com jeito de censura:
- “Desse jeito o próximo nasce em casa”!
E Carolina respondeu:
- “Se eu puder pagar, sim, se não vai ter que ser aqui mesmo”!
Tóin!

Mais tarde ela teve problemas na amamentação e na visita eu também tentei ensiná-la a ordenhar para aliviar as mamas, o que deu resultado na hora, mas não durou muito e sozinha ela tinha dificuldades. Quando foi relatar o parto lá no GAPN contou que o parto foi muito legal, mas a amamentação não foi. E recomendou fortemente que a preparação para a amamentação fosse intensificada. Nessa parte o filme “Amamentação sem mistérios” lançado logo depois foi importantíssimo para atendermos esta demanda.




http://www.maternidadeativa.com.br/aleitamento/index.html








Ana Paula contou também que o pediatra que atendia a Nina no Posto de Saúde as chamou para uma conversa e perguntou se elas não tinham pensando no preconceito que a Nina sofreria na escola quando assumiram o relacionamento. Responderam educadamente com outra pergunta: "o senhor faz o mesmo questionamento para os casais pertencentes a outras minorias? Quer uma lista de motivos pelos quais as crianças podem ser vitimas de preconceito na escola? Para quantos destes o senhor se achou no direito de dar conselhos"?



Mudaram de médico. Ainda bem que existia esta opção.

Agora, pouco mais de um ano depois, Ana Paula está fazendo um estágio na Alemanha, Carolina já voltou a frequentar as aulas regulares da faculdade e tem contado com a ajuda preciosa do pai da Nina. Paternidade consciente, graçasaDeus!

A mãe da Carolina não ficou magoada ou ofendida por não poder acompanhar o parto da filha, e depois ate ajudou a pagar pela doulagem! E não se cansa de curtir a netinha linda!

Carol e Ana Paula, muitíssimo obrigada por terem me convidado. A história de vocês me devolveu a fé que o serviço público pode ser muito bom. Quem depende dele precisa estar muito bem informado sobre seus direitos, e ainda dependemos da sorte para pegar uma excelente enfermeira de plantão... mas sim, pode ser muito bom!



Eu adorei fazer parte desta história. Um graaaaande beijo, amo vocês!
Nina, bem vinda a este lindo mundo. Você merece tuuuuudo de bom!

Beijos,

Vânia Doula.


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Pais desertores, crianças na lixeira!


Estou divulgando este texto pois acho que na véspera do dia dos pais, ele nos dá uma excelente oportunidade de refletirmos sobre a paternidade responsável!

Pais desertores, crianças na lixeira!

Ida Peréa
Médica, mulher, mãe , avó, cidadã...


Gostaria de iniciar esta conversa assim: “hoje ao ligar a televisão para assistir ao noticiário matinal fui surpreendida com a terrível noticia que uma mulher deixou seu filho em uma lixeira”. Seria uma maneira bonita e até eloqüente de iniciar. Acontece que não seria verdade, pois fato semelhante já não me surpreende embora me deixe consternada e apreensiva, dada a freqüência com que ocorre. E desta vez a própria mãe (que deixou a criança na lixeira) ligou para a polícia, certamente preocupada com seu bebê. 

Em seu depoimento á policia devidamente gravado pelo meio de comunicação, a mãe confessou que deixou seu filho na lixeira por que, segundo ela, não tinha condições de criá-lo, mas ligou para a polícia e ficou aguardando para ter certeza que a criança ficaria bem.

Em seguida a matéria mostrou entrevista com trabalhadoras do hospital para onde foram levados mãe e filho e como era de se esperar, todas fizeram mais ou menos a mesma fala; “como uma MÃE tem coragem de abandonar seu filho?”

Mas como já disse, este não é um caso isolado muito menos raro e muito menos novo como mostram as manchetes:
“Desprezo materno: Mulher abandona menino no Rio de Janeiro e o manda procurar outra mãe” Veja 11 de outubro 2000
“Mulher abandona filho recém-nascido em banheiro de oficina em Belo Horizonte” Publicada em 20/09/2009 10:45 Globo Minas
“Mulher que abandonou o bebê no lixo, tem ao todo dez filhos” Publicada em 27 de Abril de 2011 às 10h55  BRA notícias
“Mulher é presa depois de abandonar bebê de 3 meses” Seg, 18 de Abril de 2011 13:05 Manchete on line

Em uma rápida busca na internet qualquer um encontrará inúmeras histórias de mulheres que descartam seus filho(a)s em lixeiras, banheiros, lagoas, etc e certamente nem tomamos conhecimento daquelas que os abandonam nas florestas, nos rios (os filhos de boto), porque lá de tão ermo, a imprensa nem chega...

Mas nos casos que viraram notícia e que tive oportunidade de assistir, vi com tristeza rostos alguns endurecidos outros transtornados outros assustados e todos muito, muito solitários. Olhares que não buscavam nada e nem ninguém, provavelmente porque não tinham a quem buscar. Ninguém quer ser parte de uma história tão abominável. Para uma sociedade que professa o cristianismo mariano que tem em Maria Mãe, o modelo feminino a ser buscado com forma de perfeição é difícil evitar o sentimento de repulsa por um ser humano que tem coragem de abandonar de forma tão cruel sua cria, sangue do seu sangue, carne da sua carne. Há quem até questione a humanidade destas mulheres.

Mas sabe o me chama atenção? Jamais vi qualquer manchete assim: “Desprezo paterno: homem abandona filho...” ou “homem é preso após abandonar bebê na barriga da mãe”, ou após o nascimento ou a qualquer momento da vida... Como será que nós reagiríamos diante de tais notícias? Numa sociedade machista e patriarcal onde a masculinidade pressupõe apenas a direitos e nenhum dever, seria realmente espantoso...

Ao longo da história deste país, aos homens foi dado o direito de gerar filhos sem a menor preocupação ou responsabilidade e de abandoná-los sem o menor remorso ou receio de punição.

O estabelecimento da filiação paterna, na legislação e na cultura patriarcal brasileira está fortemente vinculado à vontade e ao arbítrio do homem-pai e está  efetivamente garantido apenas para as crianças nascidas dentro da família tradicional.

Os números de NÃO reconhecimento paternos no Brasil, que chegam à espantosa cifra de 30% em alguns municípios, constituem uma perversa modalidade de machismo que impacta negativamente a vida das crianças e das mulheres que sozinhas, sem a solidariedade do companheiro, arcam com todos os encargos financeiros e sociais assumindo inteira responsabilidade pelo futuro da prole. O quadro torna-se particularmente devastador quando esta mãe (mulher/menina) é adolescente com baixa escolaridade constituindo um circulo de total vulnerabilidade para todos os membros daquele grupo familiar

Fico imaginando se somos mesmo um estado democrático... Que democracia é esta onde 30% dos cidadãos e cidadãs já nascem capengas de um direito elementar que é a identidade biológica?

E a proverbial e internacionalmente famosa solidariedade do povo brasileiro? Só fachada! Como posso acreditar na solidariedade de homens que abandonam suas mulheres e seus próprios filhos?

Espero viver o suficiente para ver os homens do meu país transformados em cidadãos realmente solidários; homens que ao praticar sexo com uma mulher, pensem que aquela relação pode gerar uma criança e se ele não tem intenção de assumi-la deve se proteger; homens que ao gerar uma criança assumam com ela, com a mulher que engravidou e consigo próprio um compromisso de solidariedade com o sustento, com a educação e com futuro daquela criança.

Enquanto existirem homens desertores teremos crianças na lixeira.

Ida Perea.

Contato:

idaperea@gmail.com


segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Valéria, Emerson e Pietro – 22/07/2011

Valéria me procurou durante as reuniões do GAPN. Na primeira vez em que eu iria à casa dela não pude ir porque estava doulando, então remarcamos. Na segunda vez cheguei bastante atrasada, mas ainda assim conversamos e começamos a assistir um dos vídeos. A energia do prédio caiu e então fui embora, deixando lá o filme que nem conseguimos tirar do aparelho! Rsrsr


Começo agitado!

Na semana seguinte finalmente conseguimos começar a preparação, e apesar dos atropelos iniciais conseguimos terminá-la a tempo. Mas no dia em que eles iriam à oficina de parto ela me ligou bem cedo, avisando que a bolsa de águas tinha rompido durante a madrugada, e agora estava com contrações de dez em minutos, leves ainda. Neste dia nós tínhamos a oficina com dez casais inscritos, incluindo um que estava vindo de Campinas.  A Tatiana Nagliati estava doulando,  e eu na expectativa de que o TP da Valéria engrenasse a qualquer momento.

Liguei então para a Ana Frê e pedi ajuda. Combinamos que se fosse necessário ela iria doular por algumas horas até que eu terminasse a oficina. Valéria permaneceu com contrações de dez em dez minutos o dia todo. Tudo foi se encaminhando, a moça que a Tatiana estava doulando pariu no finalzinho da tarde e ela conseguiu ir, apesar de muito cansada.

Valéria me ligou exatamente quando estávamos tocando a musica, no final da oficina. Então Tatiana ficou fechando e arrumando tudo sozinha enquanto eu me encaminhei para a casa da Valéria. Fui recebida pelo Emerson dizendo assim:
- “Ainda bem que você chegou logo, a família dela já queria que ela fosse para a maternidade, estão colocando as coisas no carro”...

Subi e encontrei a família assistindo um jogo de futebol, sei lá qual... Valéria sentada no canto da sala, o pai e as irmãs conversando assuntos variados enquanto assistiam tv, a mãe me olhando com cara de poucos amigos. As contrações continuavam muito espaçadas. Muito mesmo, mais de cinco minutos... só tinham ficado mais intensas, causando um pouco mais de desconforto, por isso a família achava que estava na hora de ir para a maternidade. Agora Valéria estava muito calma, relaxada, confiante. Mas não cogitei ir embora, a família não aguentaria.

Emerson ofereceu o quarto do bebê para eu tirar um cochilo, minha cara de cansada devia estar uma coisa! Então aceitei, eles inflaram um colchão, eu me deitei um pouco, enquanto Valéria tentaria cochilar no quarto dela. Mas a família não estava tranquila, eu também não consegui relaxar, me levantei logo. Logo depois o jogo terminou, o pai dela se despediu e voltou para a cidade deles, levando também a irmã. Ambos teriam que trabalhar no dia seguinte.

Um pouco depois a contrações se aproximaram um pouco, ficando de cinco em cinco minutos. Dra Carla ligou perguntando como estavam as coisas. Mais de 24horas de bolsa rota e contrações ainda muito espaçadas. Sugeriu que fossemos para a maternidade. Mesmo não sendo ainda o caso de induzir, ela ficaria mais tranquila com os batimentos cardíacos do bebê sendo monitorados a intervalos de meia hora. Então fomos, bem calmamente, devia ser uma da manhã mais ou menos. A mãe dela ficou no apartamento.



A madrugada passou, o dia amanheceu.

Família ligando pedindo notícias.

Valéria procurando saber se a decoração do quartinho do bebê tinha sido entregue... com contrações muito espaçadas, ela estava longe ainda da partolândia.

Dra Carla passou visita no final da manhã. Mais de 36 horas de bolsa rota e nada das contrações se aproximarem. Então decidiram aceitar a ajuda da ocitocina sintética. Mas na hora de pegar a veia Valéria chorou um pouco. Repetiu várias vezes que detesta ser furada, que não esperava ter que passar por isso...  felizmente não foi difícil pegar a veia e logo as gotinhas começaram a cair.

Em seguida era hora do almoço. Ela conseguiu comer um pouco, seguida pelo Emerson e depois por mim. Tinhamos a expectativa de algumas horas de trabalho pela frente, e era necessário manter a energia.

Mas comer dá um soninho... temos fotos uns dos outros dando lindas pescadas... eu ainda por cima estou sentada na bola de fisioterapia... só faltou estar com a bolsa de água quente nas costas! Rsrsrsr








A tarde passou, a família muito tensa, ligavam seguidamente pedindo notícias. Valéria muito cansada, mas eu e Emersom conseguimos protegê-la do clima pesado que pairava da porta prá fora. Mantínhamos a esperança de que as contrações engrenariam a qualquer momento.

Final da tarde, Dra Carla veio avaliar a situação. Fez um toque, a dilatação estava de 6 para 7cm. No entanto, o nível de tensão beirava o insuportável. Tudo levava a crer que ainda seriam muitas horas até esse bebê nascer, e será que ela conseguiria relaxar para deixar o bebê descer, depois de tantas horas? A dúvida foi mais forte, então a decisão pela cesárea foi tomada. Não sem um sentimento de tristeza, mas naquele momento tínhamos a certeza de que o limite tinha sido atingido. A confiança de todos, incluindo a minha, claro, tinha sido minada pelo clima tenso.

Fiquei com a mãe e a irmã, ajudamos a mudar as coisas de quarto, e ficamos aguardando que Valéria voltasse. O Emerson foi junto, acompanhou tudo, e quando chegou no quarto e mostrou o filminho, o som do chorinho do bebê funcionou como um estouro de comportas, a mãe dela se encolheu no canto do sofá e chorou de soluçar, repetindo “graçasaDeus, graçasaDeus, graçasaDeus”. Chorou um tempão, um choro TÃO sentido, que eu e a irmã da Valéria choramos também! E o Emerson diante de um monte de mulheres chorando, ficou com os olhos cheios de lágrimas... até que uns olhando para os outros começamos a dar risada... e nos juntamos em volta da câmera para ver o filminho novamente.

Depois disso, a tensão se dissipou, a mãe dela me abraçou e pediu para desculpá-la se ela tinha atrapalhado alguma coisa. Não tenho nada que desculpar... estamos mergulhados em uma cultura cesarista, uma cultura em que cirurgias são tratadas como isentas de risco, somos o segundo país em número de cesáreas e de cirurgias plásticas. Acham que dá para simplesmente voltar a confiar no parto natural só porque as melhores pesquisas, a médica e a doula disseram que esse é o melhor caminho? Depois de ter ficado a vida inteira escutando que parto é perigoso... só quem já tem a centelha da confiança na natureza consegue acender esta luz... 

Lembrei de outra moça que acompanhei durante o mesmo período. Quando uma prima dela de outra cidade teve um parto normal mal assistido e o bebê nasceu com problemas e precisou de UTI, a família dela praticamente entrou em pânico e marcou a cesárea para o dia seguinte. Como explicar de uma hora pra outra que o problema não foi o parto e sim a falta de assistência adequada? Impossível... o medo acaba com qualquer possibilidade de entendimento.

Então... eu não tenho nada que desculpar. EU ENTENDO AS PESSOAS QUE TEM MEDO. E não vim nessa vida para obrigar ninguém a ter parto natural. Eu vim para ajudar as pessoas que querem evitar uma cirurgia desnecessária.

Valéria fez o que foi indicado, e seu organismo não respondeu, provavelmente porque ainda não era hora, pois tenho certeza de que o clima tenso não chegou até ela. O Emerson era muito discreto quando saia do quarto para atender o celular tocando, e no período da tarde Valéria já estava com tanto sono que nem percebia ele saindo do quarto. Talvez o Pietro nascesse de madrugada, ou talvez de madrugada se apresentasse um problema que levaria a uma cesárea de emergência... nunca saberemos. Mas sabemos que fizemos o que era possível naquele momento. E temos a certeza de que ele foi beneficiado com as contrações que duraram quase dois dias. Ele recebeu abraços apertados de sua mãe durante bastante tempo antes que o processo fosse interrompido pela cesárea.

Visitei-os na semana seguinte e os encontrei tranquilos, às voltas com a adaptação normal de um casal que tem o primeiro filho. Emerson estava há algumas noites sem dormir direito, pois só conseguia dormir nos momentos em que Valéria estava amamentando. Se o filho estivesse no berço ele estava ao lado, para se certificar de que estava tudo bem. Mas essa fase logo passou e ficaram bem.

Pietro com um ano


A vocês, Valéria e Emerson, minha eterna admiração. Vocês formam uma família muito linda.

Um grande abraço!

Vânia Doula.
_________________________________________________

"O Nascimento do Pietro é muito mais do que uma lembrança. É a sensação de um momento que transformou a minha vida, as nossas vidas. Olho muito pra ele com ternura, emoções que não sei classificar totalmente, mais sei que fico me questionando como é possível gerar um ser tão encantador"

Pietro te amoooooo um tantãoooooooo assim..........



Ass. Mamãe