Quem sou eu

Minha foto
São Carlos (cidade natal), SP, Brazil
Sou formada em Psicologia pela UFU em 1996, fiz Aprimoramento Profissional em Psicologia Hospitalar pela PUC/Camp em 1998, formação de Educadora Perinatal pelo Grupo de Apoio à Maternidade Ativa em 2004, e Curso de Extensão em Preparação Psicológica e Física para a Gestação, Parto, Puerpério e Aleitamento pela UNICAMP em 2006, onde,neste mesmo ano, participei da palestra "Dando à luz em liberdade - Parto e Nascimento como Evento Familiar" com a parteira mexicana Naolí Vinaver Lopez. O que é uma doula? Aquela que serve (ajuda)outra mulher durante o trabalho de parto. Gosto de pensar a doula como acompanhante facilitadora. E o que é educadora perinatal? Aquela que tem formação para dar cursos para gestantes, falando sobre as mudanças no corpo da gestante, desenvolvimento do feto, parto, amamentação, puerpério e primeiros cuidados com o recém-nascido. Atualmente morando em São Carlos/SP. Contato: vaniacrbezerra@yahoo.com.br (16) 99794-3566 (16)34137012

terça-feira, 3 de julho de 2012


Ariane em trabalho de parto
Ariane e Augusto – Miguel
Ariane começou a trocar e-mails comigo por volta de julho. Nos encontramos pela primeira vez em agosto, sempre prestando atenção para marcar nos mesmos dias em que ela vinha fazer as consultas de pré-natal com a Dra Carla. Ariane e Augusto frequentavam as reuniões do grupo Samaúma, em Campinas. E apesar de não ter coincidido com um dia de consulta do pré-natal, o casal também fez questão de sair do trabalho mais cedo e pegar estrada para comparecerem a oficina de preparação para o parto, onde mostramos na prática as massagens e incentivos que o companheiro pode fazer, tendo um papel importantíssimo para o bom desfecho do parto.


Os encontros de preparação para o parto, fizemos na casa da mãe do Augusto, e um encontro na chácara, onde planejavam ficar durante o trabalho de parto. Quando eu fui até a chácara, andamos pela casa olhando onde colocaríamos a piscininha inflável, vimos que era melhor comprar um botijão de gás para a eventualidade de precisar ser trocado durante o TP... andamos pela área externa, imaginando como seria passar algumas horas por ali. Conversamos sobre o plano de parto bem ali, na área da churrasqueira, à sombra de belas árvores e flores. E assim, estava tudo pronto para a espera pelo dia em que Miguel desejaria nascer.

Aconteceu em um domingo pela manhã. Eu estava no quintal, regando a jabuticabeira, que estava com uma carga enorme e por causa da seca tinha ficado com os frutos bem pequenininhos... Augusto me ligou às 09h40 dizendo que Ariane estava com contrações desde as 6 da manhã, com intervalos de 20 minutos... mas agora estavam mais próximas: 09h29; 09h34;09h39 – rompeu a bolsa – liquido claro – pequena quantidade de sangue (sinal de dilatação) – 09h42. Decidiram que não iriam para a chácara. Ficaram na casa dos pais do Augusto. E apesar da proximidade das contrações o casal estava super tranquilo. Pediram apenas que eu ficasse a postos. E foi o que eu fiz.


Chamaram às 11h00 e eu demorei meia hora para chegar. Encontrei-a deitada, tentando descansar um pouco. Ariane tinha ficado algum tempo sob o chuveiro – água quente caindo nas costas é muito bom para aliviar o desconforto e ajuda a relaxar. Mas o chuveiro queimou. Então ela saiu, tentou comer alguma coisa e descansar. Mas daí a pouco quis voltar para o chuveiro e então foi para o outro banheiro.

Liguei para conversar com a Dra Carla – eu estava com um pouco de medo, achando que a barriga estava fazendo uma cintura durante as contrações. Não falei nada para o casal. Conversei com a médica e ela me tranquilizou dizendo que o evento é tããão raro... mesmo assim, coma  continuidade do TP eu achei que estava ficando mais acinturado e resolvi recomendar que fossemos para a maternidade. Expliquei que provavelmente a dilatação ainda não estaria muito avançada mas eu não estava sentindo a segurança necessária. Então fomos para a maternidade. Chegamos 13h30.

Enfermeira observando a dinâmica uterina. A bola está sobre a poltrona,
estrategicamente colocada para a  Ariane poder relaxar entre as contrações.
Conversei com a enfermeira e expliquei que achei necessário ir para a maternidade para ter mais alguém observando comigo como a barriga dela ficava durante a contração. Somente uma hora depois, quando as contrações estavam mais próximas e quisemos lançar mão do recurso da banheira, o exame de toque foi feito, e Ariane já estava com 7cm.

Então inflei e enchi a banheira, com o apoio do pessoal que estava de plantão, e assim que o nível da água ficou bom, Ariane foi para lá. E assim passamos mais uma parte da tarde.

Descansando. Não há pressa!
Às 16h30 o Augusto foi até a padaria e trouxe lanches para ele e para mim, e coisinhas para a Ariane ir “beliscando”, e mais coisinhas para ela comer depois que o Miguel já tivesse nascido. Assim, renovamos as energias e continuamos confiantes.


Lindo o vídeo da participação ativa do Augusto, fazendo massagem nas costas da Ariane durante a contração - e no detalhe: não é necessário ficar de jejum! Adorei!

E o tempo foi passando... e começamos a olhar o relógio mais vezes... estávamos passando por uma onda de cesáreas – tinham sido 7! Infelizmente a gente começa a pensar coisas do tipo: será que mais uma vez vai acabar em cesárea? Dra Carla resolveu solicitar uma segunda opinião. Tinhamos lido alguma coisa sobre os benefícios de dois médicos avaliarem a situação. Ela saiu para procurar o médico.

E bem nessa hora... Ariane mudou de posição dentro da banheira e começou a sentir vontade de fazer força. Abriu bem os olhos, olhou pra mim e disse: eu senti! Eu senti o Miguel, ele tá baixando! E sorriu, e fechou os olhos novamente.

Dra Carla chegou, com o semblante preocupado, e disse que não tinha conseguido localizar o médico. Contei que os puxos tinham começado... ela suspirou. Aguardou um pouco, depois foi lá e pediu autorização para avaliar. Abriu um grande sorriso e disse: vai nascer!

Família reunida!



Miguel nasceu mais ou menos às 8h10 da noite. Lindo, cheio de vida, direto para os braços de sua mãe e sob os cuidados de seu pai. Linda cena, linda família!



Augusto cortando o cordão umbilical
Primeira roupinha - no berço aquecido montado dentro do quarto.


Agradeço sempre a oportunidade de presenciar cenas de famílias se reunindo! Adoro!

Ariane, Augusto e Miguel, obrigada!



Beijos a vocês, e que esta vida seja sempre com muita saúde!

Este é o link para o relato da Dra Carla:

Nenhum comentário:

Postar um comentário